quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Pânico!!!

 Estar no hospital, seja ele bom ou mau, é horrível. Fora em criança, nunca tinha estado num hospital mais do que um par de horas. Odeio!!!
Estava mortinha por vir para casa. A minha casa, o meu sossego, a minha cama...
Mas sair de um hospital a três quando só entrámos dois pode ser uma visão assustadora!
Disse ao Sr. Pai da Criança 1001 vezes para não se esquecer da cadeirinha do carro para a cria, pois só assim podíamos sair.
Na realidade ficámos no hospital mais tempo "por minha culpa".
O vasco nasceu Segunda-Feira ao final da tarde, teve alta Quarta-Feira de manhã, mas a Mãe, só teve alta Quinta-Feira por volta da hora de almoço... Foi quase uma semana passada no hospital... Pareceu-me uma eternidade.
Então quando foi finalmente a hora de sair do hospital, passaram-me milhões de coisas pela cabeça. Estávamos no pico do verão, num dia quente como só no Ribatejo, e o carro estava à chapa do sol "A cria vai assar dentro do carro...";
Tínhamos pela frente o trajeto Vila Franca de Xira - Cacém, que ainda demora no mínimo uma meia-hora quando o IC19 assim permite "E se ele começa a chorar no carro?!?! O que é que eu faço?!? " e ainda a nossa casa será sempre o nosso porto de abrigo e o nosso lugar confortável, mas em casa não há o botão mágico para pedir ajuda a uma enfermeira quando não souber o que lhe fazer "Pânico, pânico, pânico!!!"
Estas coisas para alguém tão naturalmente stressada como eu, são motivo para ataque cardíaco!
Estava em pânico, toda eu escorria suor do nervosismo, não conseguia dizer uma palavra.
O Sr. Pai da Criança arrancou com o filho, e andava tão depressa que eu nem conseguia acompanhá-lo...

Resultado: Chegámos ao carro que efetivamente estava um forno e ligámos o ar condicionado, a cria dormiu o caminho todo até casa e nunca mais desde então senti a necessidade do botão mágico.

Acabou por correr bem, e a sensação de chegar a casa com o nossos rebentos é simplesmente inexplicável. É o entrar numa nova vida!


(Imagem: sorisomail.com)
 

Sem comentários:

Enviar um comentário