quarta-feira, 18 de abril de 2018

Arrependimentos

Li recentemente aqui os maiores arrependimentos no fim de vida.

Não me surpreenderam… infelizmente.

Continuamos a partilhar frases inspiradoras de Facebook, em que buscamos incessantemente a felicidade, a simplicidade de viver feliz, o agradecimento ao que temos, mas não conseguimos deixar de o fazer numa rede social através dum smartphone (Sou a única a ver a ironia aqui?!). Não estou a condenar, porque também eu o faço.

No entanto, continuamos a ter os mesmo e expectáveis arrependimentos no fim de vida. 

Ainda assim, estou determinada em conseguir o equilíbrio entre a tecnológica realidade dos dias que correm e a simplicidade de ser feliz.

*“Ter coragem de viver a vida que queria e não a que é esperada!”Esta é difícil! É daquelas que me enerva só de ver. Porque na verdade nem sempre nos é permitido ser quem gostaríamos de ser. Há obrigações e responsabilidade que têm que ser cumpridos, e convenhamos: vivemos num mundo regido por dinheiro. E o dinheiro não cai do céu! Simples assim. Há empregos a manter, e tarefas a cumprir. Ainda assim, há toda uma vida além do emprego, e é aí que podemos trabalhar!

   *“Eu gostaria de não ter trabalhado tanto” – Esta lição aprendi-a à força! Comecei a trabalhar aos 15 anos! Cresci e evolui. Durante 10 anos dei sangue, suor e lágrimas ao meu trabalho. Por profissionalismo, por dedicação, por brio, por orgulho! Vesti a camisola! Trabalhei de Segunda a segunda, das 8 da manhã pela madrugada a dentro. Dei muitas horas do meu tempo. Levei trabalho e preocupações para casa. Chorei muito. Vivi o meu trabalho intensamente…. Um dia engravidei e em menos de nada fui despedida! Lição aprendida! Ainda assim sou grata por esta lição. Aprendi que a minha família é mais importante. Aprendi que o tempo passa e nada o faz voltar atrás. Aquele jantar a que não fui, aquele passeio que faltei, as férias que não gozei porque estava a trabalhar, são dias perdidos que não voltam atrás e que nunca mais serão compensados. Aprendi que não é assim que quero viver! Não mais! Continuo a considerar-me boa profissional. Dou o tenho, entrego-me e dedico-me. Mas no fim do dia, é só um emprego! O que me move não é um emprego… são pessoas!

   *“Ter a coragem de expressar sentimentos!” -  Esta aprendi-a essencialmente quando me tornei mãe! Ainda que tenha sido sempre muito efusiva e expressiva… A minha mãe costuma dizer que a minha cara não disfarça! Muitas vezes disse o que pensava, ainda que muitas vezes isso me tenha prejudicado. Mas expus sentimentos sempre que senti que precisava! E precisei mesmo quando me tornei mãe! Tenho um ser, que me ama de forma completamente pura, e que eu amo tanto que dói. Para mim é impossível deixar passar uma vida sem que faça o possível e impossível para que eles saiba, com toda a certeza, o que sinto por ele. É uma missão de vida! Fazer com que ele nunca tenha duvidas sobre o que sinto por ele. Sobre  quanto o amo, sobre o quanto ele é importante para mim e sobre o como ele será sempre  parte de mim!

   *“Ter-me permitido ser mais feliz” -  O resumo de tudo. Se conseguirmos ter a sabedoria de viver como gostaríamos, trabalhar menos e amar mais e expressar o que sentimos seremos certamente mais felizes! Mais completos, mais inteiros! São objectivos de vida e não deviam ser arrependimentos.
 O cliché: “Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje” levado ao seu extremo… Aquilo que todos procuramos… a busca da felicidade!

(Imagem: daily.rabbit.co.th)



Sigam também no Instagram: https://www.instagram.com/seilaeusermae/

Sem comentários:

Enviar um comentário