terça-feira, 10 de outubro de 2017

Estava tão enganada....

Desabafei aqui que estávamos com algumas dificuldades com a despedida matinal quando o deixo na escola!

Sim, estávamos, não estamos mais!

Disse já várias vezes por aqui que ser mãe me tornou mais humilde e mais consciente de que não sei tudo (nem lá perto). Mas mais importante que dizer isso, é de facto fazê-lo.

Depois do post onde confessei passar muito tempo com ele já na sala da escola, à espera que ele ficasse confortável com a minha partida, li atentamente todos os comentários, conselhos, mensagens privadas e e-mails que vocês me enviaram. 

Decidi mudar de técnica.

A minha decisão começou numa sexta-feira. Por sinal, naquele dia estava estupidamente atrasada, e deixei o carro estupidamente mal estacionado quando o fui deixar.

Deixei-o muito depressa. Chegámos, beijinhos e abraços, despi-lhe o casaco, coloquei-o no chão e saí! Tudo muito rápido e prático. Saí sem virar costas e nem percebi se ficou bem ou mal. Limitei-me a sair.

2 horas depois, com o peso na consciência liguei para a escola. Estava óptimo! Tinha de facto ficado triste quando saí, mas depressa passou e agora já nem se lembrava!

Seguiu-se o fim-de-semana. Na segunda-feira de manhã, ele estava a ler um livro quando chegou a hora de sairmos (ultimamente anda apaixonado por livros). 

Queres levar o livro para a escola para mostrares aos teus amigos?!” – Adorou a ideia!

Quando chegou, fizeram-lhe a festa habitual (e que fazem a todos!) – “Olá Vasco! Estás bom?! Que trazes aí?!” – Resultou.

Entrou na sala orgulhoso da atenção e contente por ter algo dele para mostrar e partilhar!
Como estava bem, saí, e fiquei descansada!

Desde então que é assim. Leva um livro. Quando chega, despe o casaco, entrega-me a chucha, dá-me um beijinho e segue para a mesa para mostrar aos amigos o livro do dia!
E assim, de forma tão simples e rápida, tudo mudou.

Ouvi e aceitei todos os conselhos e palpites que me deram, e sabem que mais?! Vocês estavam certas e eu errada!


Agora fica sempre bem. Muito melhor do que antes. Ele e eu. Ambos ficamos felizes e descansados, sem dramas, sem demoras, sem choros, sem remorsos. 

(Imagem: Revista crescer)

1 comentário:

  1. Aconteceu exatamente assim com a minha pequenina. Agora ja nao chora!

    ResponderEliminar